terça-feira, 17 de maio de 2011

"C" de Tom McCarthy: OPINIÃO!

"C" do autor Tom McCarthy conta-nos a história de Serge Carrefax. Vamos acompanhar a história de Serge desde a sua infância até a idade adulta.

Serge nasceu em 1898, o ano em que o telégrafo começou a ser usado em transmissões comerciais.

Serge cresce num ambiente específico: o seu pai trabalha com crianças surdas e é fascinado pelas experiências com as comunicações sem fios, a sua mãe é surda e a sua irmã Sophie tem uma personalidade única.

Para mim foi um livro complexo de se ler e passo a explicar: a leitura exige uma atenção extra porque se vai desenvolvendo numa época diferente e se centra de forma focada nos tópicos: comunicação, linguagem, sons, silêncios, códigos.

Na infância conhecemos um Serge que vive a sua vida entre os silêncios e os sons da estática, envolvendo-se gradualmente com os códigos usados durante a Primeira Guerra Mundial. Nós, leitores, envolvemo-nos na sua relação particular com Sophie, a sua irmã mais velha.

Conhecemos o pai de Serge, uma personagem para mim, com um comportamento e atitudes e reacções peculiares...pareceu-me um pai totalmente focado nos mistérios das comunicações sem fios e alheado do mundo e crescimento dos filhos.

Depois temos o crescimento de Serge cheio de aventura e acção e episódios marcantes, onde a comunicação, sons e códigos continuam a pautar a sua vida.

Para mim esta leitura exigiu maior nível de concentração porque não se trata de um livro ligeiro do tipo "rapaz apaixona-se por rapariga e vivem felizes para sempre" mas antes um livro complexo, com um "alcance histórico e psicológico" que tenta "decifrar um pouco os códigos e ritmos obscuros que regem a vida e nos mantêm todos interligados".

É sem dúvida um livro original sobre um tema que não vemos constantemente noutros livros e onde Serge figura como a personagem principal da trama. Ao longo do livro vamos crescendo simultaneamente com Serge e vamos vivendo a sua vida, as suas experiências, as suas histórias e relações. E, por vezes, senti-me saltar entre episódios e a questionar se Serge estaria lúcido ou a alucinar...se o que estava a pensar seria real ou sonho....numa ânsia de entender os mistérios de Serge vamos lendo e vamos acompanhando esta personagem...cuja vida é cheia e repleta de episódios....até chegarmos ao derradeiro desfecho final.

Pelo tema, pela forma de escrita do autor, pelas personagens em si e pelo contexto temporal e histórico é um livro a ler com atenção e dedicação para ser devidamente apreciado.

Como refere o Daily Telegraph "uma escrita electrizante que merece ser lida e desfrutada tanto como analisada e debatida" e foi isto mesmo que eu senti ao terminar a leitura: este não se trata de um livro que lemos, acabamos, fechamos e esquecemos, mas que exige de nós leitores uma atenção e uma análise sobre o mesmo quando findamos a sua leitura.

CLASSIFICAÇÃO: 4. Bom!




Podem saber mais sobre este livro
aqui!

6 comentários:

Manuel Cardoso disse...

Olá Diana
estou lendo esse livro para o Destante (leitura conjunta) e para o meu blogue. Parece-me que o livro perde muito na parte final, não é?
Quando acabar voltarei cá e convido-te desde já a ver e comentar as opiniões que vão surgir no Destante.

Diana Barbosa disse...

No final, para mim, torna-se um pouco confuso mas fico a aguardar a tua opinião :)

M. João disse...

Imaginem o que foi traduzi-lo...

Diana Barbosa disse...

Deve ter sido um trabalho bem árduo de certeza.

M. João disse...

Pode crer. Das coisas mais difíceis que fiz... Mas gostei imenso, foi fascinante!

Diana Barbosa disse...

Parabéns pelo teu excelente trabalho de tradução M. João :)